A S.M.O.

A Sociedade Musical Odivelense

Instituição de Utilidade Pública

A S.M.O. é sua e existe para si!
Sempre na promoção da cultura.

História da Sociedade Musical Odivelense

A Sociedade Philarmónica Odivellense tem a sua certidão de nascimento datada de 28 de Junho de 1863, de acordo com a ata da 1ª reunião de Assembleia de Sócios que aprova “ … por unanimidade .”, os Estatutos que lhe vão dar corpo e personalidade jurídica.

 

A sua criação foi pioneira no futuro Concelho de Loures.
O ideário liberal sustentava que a educação popular passava necessariamente pelo contacto com os vários géneros culturais.

 

A criação da Sociedade Philarmónica Odivelense integra-se nesta dinâmica, verificando-se que no ano da sua criação, em 1863 e no mesmo mês, surgem no futuro Concelho de Loures mais duas Filarmónicas, a da Sociedade Filarmónica de Bucelas e a dos Bombeiros Voluntários do Zambujal.

 

Pelos muitos testemunhos deixados pelos homens que estiveram na génese desta Sociedade e dos seus seguidores, é possível hoje vislumbrar a emergência da vontade de criar cultura e a perseverança em continuar, alimentando e impulsionando esse legado cultural.

 

As mutações foram várias:

 

1863 – Sociedade Philarmónica Odivellense
Através do art.º 1º dos primeiros estatutos ficou definida de forma inequívoca a essência e função desta Sociedade, ao definir dois tipos de sócios “ … divise-se a Sociedade em Philarmónicos pertencentes à Banda ou Sócios ouvintes ”. A trave mestra deste projeto foi pois a criação de um espaço onde a prática e a fruição da cultura musical fossem uma realidade.

A História desta Sociedade estará sempre ligada a uma figura que é incontornável pelo seu messianismo, António Maria Bravo . Apesar do grupo fundador agregar muitos outros que foram também determinantes para a concretização deste sonho.

 

1894 – desde este ano que são promovidos espetáculos de Teatro pela SMO.

 

Embora a Banda Musical tenha sido a “pedra basilar” da atividade da SMO, esta foi precursora na promoção de outras propostas culturais.

 

1898 – Sociedade União 29 de Junho

 

1903 – Sociedade Musical Odivelense – Banda dos Bombeiros Voluntários de Odivelas

 

1913 – Os concertos da Banda eram acontecimentos de rua, que tinham lugar em locais privilegiados como o Largo D.Dinis, onde neste ano é construído pela SMO e populares um Coreto.

 

192? – A projeção de películas cinematográficas nos anos vinte, que iniciou o processo que iria dar lugar ao primeiro Cinema em Odivelas

 

1931 – A vida da Sociedade Musical Odivelense cruza-se com a vida da própria localidade , utilizando temporariamente vários locais como sede.

Só 68 anos decorridos da sua formação, é que passa a dispor de um espaço próprio na Travessa da Mina, hoje Rua Maria Gomes da Silva Santos, parte integrante do núcleo antigo de Odivelas.

 

1939 – a criação e inauguração da primeira Biblioteca de Odivelas, que abriu novas janelas para o Mundo, proporcionando à população odivelense o acesso a outras dimensões da cultura.

 

1947 – são efetuadas obras de remodelação do edifício, dotando-o de um 2º piso.

 

1952– adquire o nome que ainda hoje possui: Sociedade Musical Odivelense.

 

2009 – Com um espaço totalmente requalificado, após as obras de 2009, a SMO abre a porta aos Odivelense a mais um espaço cultural, apelativo, onde a História se renova num abraço com o Futuro.

 

Hoje – a atividade da SMO traduz-se essencialmente na fidelidade aos seus princípios e objetivos definidos desde os primeiros estatutos.

 

Assim, a sua ação assenta na Escola de Música, na Banda de Música e no Grupo Coral ”Maria Gomes”, Teatro e Dança. Estas atividades desenvolvem-se de forma articulada, proporcionando aos alunos da Escola de Música, aos elementos do Grupo Coral e aos praticantes de outras actividades a apresentação de trabalhos aonde as várias actividades interagem proporcionando espetáculos de excelência.

Desta forma a Sociedade Musical Odivelense cumpre efetivamente o espírito da sua criação.